Criminalidade cai em áreas que receberam UPS

A instalação de Unidades Paraná Seguro (UPS) nos bairros de Curitiba tem possibilitado a redução de índices de criminalidade que até então vinham sendo registrados nas localidades, que também apresentam alta densidade populacional.No Parolin, onde a UPS foi instalada no mês de maio, em três meses não houve um único assassinato segundo relatório fechado em julho. Com instalação de uma UPS em março, a redução de homicídios no bairro Uberaba foi de 50%, quando comparado com o mesmo período de 2011. Na Cidade Industrial de Curitiba (CIC), que recebeu quatro UPS em julho, a redução foi de 36% nos homicídios em relação ao mesmo mês de 2011.

O secretário estadual da Segurança Pública, Reinaldo de Almeida Cesar, destaca os critérios para instalação de UPS. “O projeto das Unidades Paraná Seguro segue estritamente um critério técnico e é direcionado para as regiões que historicamente apresentam índices de criminalidade preocupante”, informa. “Todos conhecem o chamado ‘V da violência’ de Curitiba”, destaca o secretário, referindo-se ao mapa da capital, que demonstra uma “mancha criminal” em bairros que vão da CIC, passando pelo Sítio Cercado até a região de Uberaba e Cajuru.

A CIC, que hoje tem quatro UPS, foi escolhida por concentrar 17% dos homicídios da capital e 9% da população curitibana. Já o Sítio Cercado, o bairro mais recente a receber uma unidade de policiamento comunitário, agrega 6,6% da população de Curitiba, 8,48% das mortes violentas da cidade e 4,71% do total de roubos ocorridos na capital, no período de janeiro a julho deste ano.

Outras ocorrências– No bairro Uberaba, onde está a primeira UPS instalada na capital, a média mensal de ocorrências (incluindo roubos, furtos e lesão corporal) é de 125 depois da implantação da base de polícia comunitária. Antes, eram registradas 169 ocorrências por mês.A diminuição nas ocorrências se repete nos demais bairros que receberam UPS. No Parolin, o número médio baixou de 79 por mês para 51. Já na CIC o registro passou de 353 para 233 ocorrências mensais, segundo dados do sistema Boletim de Ocorrências Unificado, que registra atendimentos das polícias Civil e Militar.

Expansão – Até o fim do ano, outras três unidades serão implantadas em Curitiba, totalizando dez na capital. A primeira foi instalada em março, no bairro Uberaba. Em maio, ocorreu a implantação no bairro Parolin e, em julho, quatro unidades do bairro Cidade Industrial de Curitiba (vilas Sabará, Vila Verde, Nossa Senhora da Luz e Caiuá). A última ocorreu no início de agosto, no bairro Sítio Cercado (Vila Osternack). A previsão da Segurança Pública é que, até o fim do ano, haja implantação de UPS na Região Metropolitana de Curitiba e também no interior do Estado.

Resgate social – Instalada em localidades com alta taxa de tráfico de drogas, homicídios e demais crimes, a UPS não é somente um projeto de polícia, mas de resgate e revitalização da vida comunitária.

Antes da instalação, ocorrem fases prévias. Primeiramente, ocorre o trabalho de inteligência, desenvolvido por equipes da Polícia Civil, com prisão de traficantes, homicidas e demais criminosos, a chamada limpeza da área.

Em seguida, é realizada uma operação de congelamento, que é quando um grande contingente policial chega ao bairro. Depois disso é que ocorre a implantação propriamente dita, com efetivo policial permanente, aliado à oferta de serviços públicos, em parceria com o poder público municipal.