Simpósio de Segurança em Grandes Eventos discute comunicação na Copa

As estratégias de comunicação para a Copa do Mundo foram o tema do quarto dia do Simpósio de Segurança para Grandes Eventos, que o Ministério da Justiça realiza esta semana no Rio de Janeiro. Os participantes ouviram profissionais de países que já sediaram mundiais da FIFA, como o chefe de Polícia de Munique (Alemanha), Wolfgang Wenger, que destacou a importância da transparência na divulgação de informações.

“É importante que todos os assuntos relacionados com a segurança pública durante a Copa sejam divulgados com transparência e na velocidade que o acontecimento exigir, para dar credibilidade às ações desenvolvidas”, disse Wenger.

O Centro Internacional de Mídia deverá funcionar 24 horas por dia, sempre com pessoas habilitadas para passar informações para os jornalistas estrangeiros. “Na Copa da Alemanha criamos um manual de bolso sobre mídia, orientando as forças policiais para os procedimentos junto à imprensa. Também criamos um telefone do cidadão, tipo 0800, para dar respostas imediatas à população”, informou Wenger.

Michael Kromer, da Polícia de Berlim, falou sobre riscos envolvendo multidões nos estádios, vandalismo e atentados terroristas. “Vocês devem estar preparados para estas ameaças, mesmo que não existam indícios de que isto possa acontecer”, afirmou.

Também foram abordados temas como o controle dos ingressos, com uso de novas tecnologias para o smartcard e sistema de chips e identificação por radiofrequência. A maioria dos cerca de 3 milhões para jogos da Copa no Brasil será personalizada, evitando o risco de uso múltiplo. “Com a personalização nós podemos bloquear os ingressos roubados ou extraviados, evitando o mercado paralelo”, disse Haradl Forster, da Polícia Criminal alemã.

O ministro da Justiça, José Eduardo Cardozo, disse que o Brasil está preparado para o desafio de realizar a Copa. “Compartilhar experiências internacionais é fundamental. Vamos capturar conhecimento, tecnologia e informação de quem já organizou uma Copa do Mundo. Nossas ações exigem articulação em três níveis de governo, mas a palavra chave é integração federativa”, disse Cardozo.

Ele destacou a importância da integração das forças de segurança e disse que serão criados 12 Centros de Comando e Controle, um em cada sede, que ficarão como um legado da competição para a política nacional de segurança pública.

De acordo com o secretário para Assuntos da Copa 2014 no Paraná, Mario Celso Cunha, “o simpósio tem mostrado erros e acertos das Copas de 2006 e 2010, e nosso objetivo é reproduzir os acertos e evitar ou descartar os erros”. Cunha participa do simpósio com uma equipe de técnicos e especialistas em segurança pública do Paraná.

Também participaram do encontro sobre comunicação o secretário da Segurança Pública do Rio de Janeiro, José Mariano Beltrame;o secretário extraordinário de Grandes Eventos, Valdinho Jacinto Caetano; e o cônsul geral da República Federal da Alemanha, Michael Worbs.

20 jul 2012, às 00h00.
Mostrar próximo post
Carregando