O Olhar dela

por Janaína Castilho

Não, não é um problema pessoal. Envolve uma luta social. E não é “só” um problema, envolve um crime. Embora as redes sociais sejam ambientes de opiniões discrepantes e isso é positivo, também podem se tornar um vazio de ideias compartilhado sem critério e sem argumento, porque ali não tem filtro. Muita gente reproduz um pensamento patriarcal e assustador que relativiza algo grave. A minha intenção não é entrar em embate, mas sim trazer uma reflexão que eu achava óbvia. E como vimos, o óbvio precisa ser dito. E se tratando da violência contra a mulher, não vou me calar!

Yan Couto não foi mal interpretado

Violência, assédio, abuso, agressão sexual… não importa a cara do sujeito, quem ele é, o talento, o poder do autor. Ele foi indiciado. Não tem como desvincular. O que choca – ainda – é a maneira como, inconscientemente, muitos naturalizam isso. E, claro, tem uma explicação.

Yan Couto não foi mal interpretado. Entendo que na visão simplista ele acredita ser possível desvincular o jogador do detento, mas não. Essa sociedade passou pano para agressores, deixou baixo por séculos os direitos das mulheres. E somos fruto dela. Toda escória de pensamento que ela produziu ainda reverbera, embora tenhamos leis de proteção, a luta vai além disso…

Nas empresas existe o compliance, que pode funcionar como uma espécie de socorro oculto, para os funcionários terem voz anonimamente. As mulheres recorrem a esse recurso para fazer denúncias desse tipo, sabem porque? Porque tem vergonha e medo de combater abertamente. Medo de julgamento, medo de mais violência! O acusado pode ter um cargo de liderança e, até então, ser referência profissional. Vejam vocês, será que SE condenado, ele será lembrado pela sua brilhante trajetória?

Daniel Alves destruiu o próprio castelo

E no esporte, o balaio não pode ser visto com tolerância. “Ah tem sujeira ali, mas tem riqueza, vale o preço”. Falamos tanto sobre isso quando vimos cenas inaceitáveis nos estádios, que não combinam com modalidades que são exemplos para a vida, porque seria diferente no caso Daniel Alves? Ele destruiu o próprio castelo.

Enquanto Yan era criança e um jovem atleta em formação o castelo estava lá, as habilidades técnicas foram exemplo, mas, HOJE pode ser sim diferente Yan. Em uma posição de raros talentos, acredito que você tem um caminho lindo para trilhar com a camisa da nossa Seleção. Sempre que vesti-la imagine que está sendo referência pra milhares de garotos. É um privilégio e uma oportunidade de disseminar valores que vão além da genialidade com a bola nos pés. O que você fizer será admirado, venerado e cultuado. É um combo! Isso é o que chamamos de ÍDOLO. Aproveite a jornada!

17 out 2023, às 16h57. Atualizado às 18h56.
Mostrar próximo post
Carregando