Adoção ou lar temporário: cuidados essenciais para animais resgatados

Canal de Estimação

por Pauline Machado
Jornalista e Acadêmica de Medicina Veterinária
Publicado em 5 jun 2024, às 00h01. Atualizado às 00h38.

Após as trágicas enchentes que devastaram o Rio Grande do Sul, uma mobilização conjunta de voluntários, ONGs e Associações vem se dedicando aos resgates de animais afetados. Neste contexto, os abrigos enfrentam dificuldades para localizar os tutores dos animais e quando isso não é possível, os animais são encaminhados para lares temporários ou adoção definitiva, uma vez que os abrigos estão superlotados. Os animais, por sua vez, enfrentam traumas e a dor da separação de seus tutores.

Diante desta realidade, a médica-veterinária da Special Dog Company, Kelly Maiara Lopes Carreiro, enfatiza que garantir a recuperação dos pets exige que os novos tutores tenham um entendimento básico sobre o histórico do animal, obtido nos abrigos, além de tempo e estrutura para receber o pet em seu lar e integrá-lo à rotina familiar. “Os pets podem ter passado por momentos muito desafiadores e podem levar certo tempo para superá-los, por isso é importante oferecer o máximo de suporte e segurança a eles”, ressalta Kelly.

A profissional destaca orientações essenciais para garantir o bem-estar físico e emocional desses animais:

Recepção responsável: ao receber o animal em seu lar, é importante separar itens que o deixem confortável e o protejam do frio ou do calor. Também é crucial reservar locais em que ele possa descansar ou até mesmo se esconder, caso sinta essa necessidade. “É fundamental que os adotantes tenham consciência das responsabilidades envolvidas na adoção e estejam dispostos a dedicar tempo e amor aos pets resgatados”, destaca Kelly.

Identificação de estresse: os sinais de estresse e trauma podem variar entre os animais, exigindo uma abordagem individualizada. Segundo a especialista, enquanto alguns animais podem demonstrar sinais imediatos, como tremores e vocalizações, outros podem manifestar comportamentos agressivos ou maior sensibilidade a estímulos. “Nestes casos, é primordial procurar orientação de um médico-veterinário e/ou especialista em comportamento animal. Esse acompanhamento garantirá a melhor conduta a ser adotada, levando em consideração os sintomas ou comportamentos apresentados pelo cão ou pelo gato”.

Ambiente acolhedor: preparar um ambiente acolhedor com itens essenciais, como camas, brinquedos e locais de esconderijo, é indispensável para promover o conforto e segurança dos animais resgatados. Kelly enfatiza a relevância desse cuidado, sugerindo que “brinquedos ou acessórios para esconder petiscos são uma ótima opção para entreter os cães, enquanto os gatos apreciam arranhadores, brinquedos com bolinhas e penas. Todo tipo de enriquecimento ambiental é benéfico para aliviar a tensão e o estresse dos animais”.

Rotina diária: estabelecer uma rotina gradual de atividades, incluindo caminhadas e brincadeiras, é importante para promover a recuperação física e mental dos pets. Visitas regulares ao médico-veterinário também são recomendadas para monitorar a saúde. “Tudo deve ser introduzido aos poucos, assim, o tutor poderá avaliar se deve incluir mais atividades na rotina diante das preferências e interesses dos pets”, evidencia a veterinária.

Interação e descanso: equilibrar momentos de interação com períodos de descanso é vital para reduzir a ansiedade e promover um sentimento de segurança nos animais.

Socialização gradual: a introdução a novos membros da família, sejam humanos ou outros pets, deve ser feita de forma gradual, com paciência e supervisão cuidadosa dos tutores. Se houver outros animais na casa, é recomendado mantê-los inicialmente em cômodos separados e utilizar um acessório com o cheiro do novo animal para ajudar na familiarização.

Alimentação adequada: uma dieta adequada é fundamental para a recuperação dos animais traumatizados. Após possíveis dias sem se alimentarem ou devido a enfermidades, é importante oferecer alimentos de alta qualidade, ricos em nutrientes e de fácil digestão. “Os alimentos úmidos completos também são bastante atrativos e contribuem para a hidratação dos pets, sendo uma ótima escolha nesse processo de recuperação”, destaca Kelly”.

Adotar um animal implica estar ciente das responsabilidades envolvidas e disposto a dedicar tempo e amor, fundamentais para a recuperação de pets em diferentes situações de vulnerabilidade no Brasil. A veterinária finaliza destacando que, para animais resgatados de enchentes ou em outras condições debilitantes, é crucial garantir cuidados gerais, como higiene, saúde e alimentação. O acompanhamento regular por médicos-veterinários é muito importante para monitorar a recuperação física e mental, além de manter as vacinas e vermífugos em dia.

FONTE: Assessoria de Imprensa.

Mostrar próximo post
Carregando