MP denuncia ex-servidores públicos de Almirante Tamandaré por desvio de peças

Ministério Público aponta que denunciados se utilizariam de seus cargos para desviarem peças de máquinas e outros veículos da prefeitura

Publicado em 4 jun 2024, às 13h07.

O Ministério Público do Paraná (MPPR) apresentou denúncia contra dois ex-servidores públicos e um homem que era gerente de uma empresa terceirizada que prestava serviços à Prefeitura de Almirante Tamandaré, na Região Metropolitana de Curitiba. De acordo com as investigações, eles teriam cometido crime de peculato, desviando bens do município, entre 2013 e 2016.

Ministério Público denuncia dois ex-servidores e o gerente de uma empresa terceirizada que prestava serviços à Prefeitura de Almirante Tamandaré por peculato e desvio de peças
Suspeitos usariam os cargos públicos para desviar peças de máquinas e outros veículos da prefeitura (Foto ilustrativa: Prefeitura de Almirante Tamandaré)

Segundo o MPPR, os denunciados ocuparam os cargos de secretário municipal de Obras, diretor do Departamento de Manutenção Viária e supervisor do Pátio Municipal de Obras ao longo desse período, e utilizaram os cargos públicos para cometerem uma série de delitos.

Ministério Público atribui cinco crimes aos denunciados

De acordo com as apurações do Ministério Público, o supervisor teria subtraído e desviado inúmeras partes e peças de diversas máquinas e veículos pertencentes ao município, ao longo de anos, contando com a omissão dos superiores responsáveis – foram denunciados três fatos criminosos com essas características.

Leia também:

Além disso, em outros dois fatos denunciados, pessoas não identificadas teriam feito o desvio, também contando com a omissão dos servidores responsáveis. Esses cinco fatos criminosos citados indicam o desvio de partes ou peças de duas motoniveladoras, uma pá-carregadeira, quatro caminhões e quinze outros veículos.

Além disso, o MP aponta que os denunciados agiam de forma a evitar que os desvios fossem percebidos por outras autoridades do município. “Havia uma proposital falta de agenda pública e de eficiente vigilância e monitoramento (inclusive por vídeo) do referido espaço público de parte dos gestores da época, o que somente reforça, por igual, assunção de risco da prática de ilícitos cujo conhecimento e evitação, como demonstrado, estava no raio de alcance de suas obrigações funcionais mais triviais”, destaca parte da denúncia do Ministério Público.

Quer receber notícias no seu celular? Então entre no canal do Whats do RIC.COM.BR. Clique aqui

Mostrar próximo post
Carregando