"Porta do inferno" na Sibéria cresce em ritmo assustador e perigos preocupam

Segundo estudos, a expansão acontece em até um milhão de metros cúbicos por ano

Publicado em 20 maio 2024, às 15h39. Atualizado às 15h40.

A “Porta do Inferno”, uma misteriosa cratera em Batagaika, na Sibéria, cresce em ritmo assustador e os perigos que isso pode ocasionar preocupam. Uma reportagem do Deutsche Welle mostra que uma colaboração internacional de cientistas alemães e russos revelou que a expansão acontece em até um milhão de metros cúbicos por ano, por causa do derretimento do permafrost – camada de gelo, rocha e sedimentos.

"Porta do inferno" na Sibéria cresce em ritmo assustador e perigos preocupam
“Porta do inferno”: fenômeno natural tem um quilômetro de extensão. (Foto: Reprodução/Research Institute of Applied Ecology of the North)

O fenômeno natural tem um quilômetro de extensão. A descoberta dele na remota República de Sakha, na região oriental da Rússia, foi em 1991, por meio de imagens de satélite. Foi após o colapso de uma encosta nas terras altas de Yana, ao norte de Yakutia.

Leia também: Mudanças climáticas aumentaram tragédia no Rio Grande do Sul?

Segundo o Serviço Geológico dos Estados Unidos (USGS), esses sumidouros geralmente ocorrem quando a rocha subterrânea, composta de calcário, carbonato e outros sais solúveis, se dissolvem em água. A expansão da “Porta do Inferno” é um sinal claro do impacto das mudanças climáticas. isso porque, conforme o USGS, o aumento das temperaturas derrete o “cimento gelado” que mantém a solidez da terra, debilitando sua estrutura.

À medida em que a terra mais congelada expulsa o calor, o tamanho da cratera aumenta de maneira significativa.

A reportagem mostra ainda que, segundo o estudo publicado no jornal científico Geomorphology, a cratera cresceu 200 metros desde 2014, chegando a uma largura de 990 metros.

Motivos para preocupação com a expansão de cratera

Batagaika está distante de qualquer grande cidade russa, no entanto a rápida expansão da cratera é um indicador crítico do aquecimento do permafrost subjacente, segundo relata o portal Interesting Engineering. O degelo dessas camadas não provoca apenas os sumidouros, mas também reduz a vegetação que protege do calor solar, acelerando o aquecimento do solo.

Leia também: Comissão de Economia do Senado discute fundo para emergência climática – 20 a 24/05

Ao se descongelar, a matéria orgânica aprisionada no permafrost se decompõe, liberando dióxido de carbono na atmosfera, o que contribui para o aquecimento global. Ainda mais alarmante é o fato de que o sumidouro pode potencialmente liberar na atmosfera antigos micróbios perigosos, para os quais não estamos preparados.

Quer receber notícias no seu celular? Então entre no canal do Whats do RIC.COM.BR. Clique aqui

Mostrar próximo post
Carregando