Escolas municipais voltam às aulas na quinta-feira

As férias para os 140 mil alunos das creches e escolas municipais estão chegando ao fim. Nesta quinta-feira (26) começam as aulas nas 183 escolas municipais e na segunda-feira (30), nos 181 Centros Municipais de Educação Infantil (CMEIs), as creches da Prefeitura. As creches conveniadas seguem calendário próprio.

Para professores, pedagogos, educadores, diretores e inspetores, as atividades começaram mais cedo, com a Semana de Estudos Pedagógicos (SEP), que teve início na segunda (23) e vai até esta quarta-feira (25). A SEP reúne 17 mil profissionais da educação municipal para palestras com especialistas em ensino e espetáculos culturais em 23 diferentes locais da cidade.

O segundo semestre letivo terminará em 14 de dezembro, nas escolas e creches.

Adaptação – Depois de 20 dias de recesso, é hora de os alunos voltarem à rotina. Os pais podem colaborar para que os filhos consigam se adaptar com tranquilidade para ter um bom semestre escolar.

Uma das dicas é ajudar a criança a reorganizar seu dia a dia, respeitando os horários de refeição e de sono. Também é bom voltar a acompanhar os cadernos e a agenda escolar do estudante para verificar se ele está conseguindo fazer os exercícios e a lição de casa.

Na hora da tarefa, os pais podem incentivar e orientar, mas não devem resolver as questões para os filhos.

Prestigiar os eventos e festas comemorativas da escola também é uma forma de valorizar o espaço de estudo da criança.

É importante também continuar a incentivar a leitura e o empréstimo de livros. Os estudantes contam com a Rede de Bibliotecas Escolares, formada por 181 bibliotecas em escolas e nos Faróis do Saber.

Infecções respiratórias – como em todos os anos, para a volta às aulas as escolas e CMEIs seguem a tradição de reforçar as orientações sobre como evitar a transmissão de doenças respiratórias.

Manter os ambientes ventilados, lavar as mãos com freqüência, evitar aglomeração de alunos em locais com ventilação restrita e intensificar a higienização na escola estão entre as medidas.

Alunos ou professores que apresentarem sintomas de síndrome gripal (febre e temperatura maior que 38ºC, tosse, dor de garganta), devem ser encaminhados para atendimento em algum serviço de saúde da rede pública ou ao médico de referência para avaliação e encaminhamentos.