Ilha do Marajó: tudo que se sabe sobre o caso

por Mariana Gomes
com supervisão de Giselle Ulbrich
Publicado em 22 fev 2024, às 21h54. Atualizado às 22h01.
POST 9 DE 12

O caso de exploração sexual infantil na Ilha do Marajó, no Pará, tomou conta das redes sociais e da preocupação pública. Contudo, o assunto não é novidade no Brasil. A linha do tempo da Ilha do Marajó começa ainda nos anos 2000. Confira tudo o que se sabe sobre a Ilha do Marajó.

2006: Primeira acusação

O primeiro registro sobre as acusações de exploração infantil na região surgiu em 2006. A Comissão de Direitos Humanos e Minorias da Câmara dos Deputados abriu inquérito por conta das acusações. Os documentos da época apontavam o suposto envolvimento de políticos da região no caso da Ilha do Marajó. As meninas do local seriam levadas para se prostituir em Belém e Guiana Francesa.

2010: CPI do Marajó

Em 2010, os abusos que aconteciam na Ilha do Marajó se tornaram tema de comissões locais. Isso levou o senado a realizar uma Comissão Parlamentar de Inquérito (CPI) para tratar o assunto.

A CPI discutiu dezenas de denúncias de casos de violência sexual contra crianças e adolescentes no arquipélago. Alguns parlamentares citaram o caso do ex-deputado Luiz Afonso Sefer, acusado de adotar uma criança de 9 anos e estuprá-la. Anos depois, saiu a condenação de 20 anos de prisão a Sefer por estupro de vulnerável.

O senado também falou sobre a “rota da exploração sexual da região”. Ela abrangia os municípios de Gurupá, São Sebastião da Boa Vista, Breves, Curralinho, Muaná e Portel. Essa “rota” seria a de embarcações que passavam pela Ilha do Marajó para Manaus, onde acontecia exploração sexual de crianças.

2017: Reportagem da Record TV

Em 2017, a Record TV fez uma reportagem sobre a exploração infantil na Ilha do Marajó. A matéria mostrava a situação de extrema pobreza do local. Este seria o motivo em que crianças e adolescentes se entregavam à exploraão sexual. Em troca dos abusos, os menores recebiam dinheiro, comida ou até mesmo óleo diesel. 

O óleo diesel é chamado de “ouro negro” na Ilha do Marajó, de tão caro na região. Um registro da reportagem mostrava cinco meninas correndo atrás de um barco cheio de caminhões. Segundo a apuração, os caminhoneiros costumavam oferecer dinheiro e recursos em trocas de favores sexuais.

2022: Damares Alves fala em culto evangélico

O assunto ressurgiu em 8 de outubro de 2022, em meio às eleições. A então ministra da Mulher, da Família e dos Direitos Humanos, Damares Alves, se pronunciou sobre a Ilha do Marajó em um culto evangélico. Damares relatou que crianças da Ilha do Marajó tinham seus dentes arrancados para facilitar o sexo oral. Falou ainda que elas se alimentavam de comida pastosa para o intestino “ficar livre” para o sexo anal. 

Contudo, por ter citado Jair Bolsonaro (PL), então Presidente da República e candidato para reeleição, o discurso foi visto como tentativa de auxiliar Bolsonaro a vencer as eleições de 2022. “Bolsonaro disse: ‘nós vamos atrás de todas elas’, e o inferno se levantou contra este homem”, discursou Damares. 

Isso fez com que o Ministério Público Federal ajuizasse uma ação civil pública contra Damares. Segundo a ação, a senadora e a União deveriam indenizar a população do Arquipélago do Marajó (PA), pagando R$5 milhões por danos sociais e morais. O valor seria revertido para projetos sociais da região.

A ação, além de afirmar que a ex-ministra havia gerado danos aos moradores da Ilha do Marajó com a “informação falsa”, também acrescentou que a declaração serviu de palanque político em favor de Bolsonaro.

2023: Pronunciamento de Damares Alves no Plenário

Entretanto, mesmo depois da derrota de Bolsonaro nas urnas em 2022, Damares continuou falando sobre a Ilha do Marajó. Em 26 de setembro de 2023, a senadora se pronunciou sobre o tráfico de crianças na região.

Damares relatou ter recebido mensagens de moradores da região denunciando o desaparecimento de uma criança de dois anos na cidade de Anajás, no dia 19 do mesmo mês. Ela afirmou que havia indícios de que a menina era vítima de tráfico infantil.

A senadora também trouxe dados da ONU e do Conselho Federal de Medicina sobre o assunto. Segundo os órgãos, cerca de 50 mil casos de tráfico infantil ocorreram entre 2019 e setembro de 2023. Além disso, 42 mil desaparecimentos foram registrados no primeiro semestre de 2023.

Damares encerrou sua fala informando que apresentaria um requerimento solicitando que senadores visitassem a Ilha do Marajó. O intuito da visita seria avaliar o programa de enfrentamento à exploração sexual de crianças e adolescentes do governo Lula. “Nós queremos saber como é que está o avanço desse programa, como é que está a proteção das crianças na Ilha do Marajó”, disse Damares.

2023: Programa Cidadania Marajó

O programa citado por Damares é o Cidadania Marajó, implementado em maio de 2023. Segundo o site O Globo, o programa foi implementado pelo governo federal para substituir o projeto de Damares Alves criado durante o governo Bolsonaro, “Abrace o Marajó”.

Em colaboração com o Ministério dos Direitos Humanos e da Cidadania, o programa busca promover atividades de escuta, prestação de serviços à população e diagnosticar a necessidade de implantar medidas socioambientais no local. Para denúncias relacionadas à violação de direitos humanos, a pasta utiliza a ouvidoria Disque Direitos Humanos (Disque 100).

2024: Aymeê Rocha e o “Evangelho de Fariseus”

O assunto parecia ter sumido do foco nacional, até o surgimento da música “Evangelho de Fariseus”. Aymeê Rocha, cantora e compositora da canção, se apresentou no reality show gospel Dom Reality com a canção em 16 de fevereiro de 2024.

Entre outros assuntos, a música citou as explorações sexuais de crianças que ocorrem na Ilha do Marajó. “Enquanto isso, no Marajó, o João desapareceu esperando os ceifeiros da Grande Seara”, cantou Aymeê. Ao fim da canção, a paraense revelou que crianças na Ilha do Marajó chegam a se prostituir por R$5 reais para turistas. 

Dias depois da apresentação no Dom Reality, Aymeê revelou em seus stories que se sentia chamada por Deus para compor a música. “Lembro de quando nasceu ‘Evangelho de Fariseus’, eu jogada no chão do meu banheiro, chorando vidas por horas e horas. Um choro amargo”, escreveu.

2024: Apoios e críticas a Aymeê

A visibilidade que Aymeê trouxe sobre o assunto foi acompanhada por críticas. Um exemplo é o pastor Ciro Sanches Zibordi, que chamou a canção de “apenas uma crítica generalizante”. 

Zibordi disse que a música de Aymeê colocava “tudo no mesmo bojo”, o que poderia comprometer a imagem da Igreja no Brasil. Além disso, o pastor acredita que a frase “o reino virou negócio” da música “Evangelho de Fariseus” podia impedir fiéis de dizimarem, o que afetaria o mantimento de comunidades cristãs.

Contudo, diversos famosos saíram em defesa das crianças da Ilha do Marajó. Uma deles foi Juliette, ex-BBB e cantora, publicou sobre o assunto no X, antigo Twitter. “Marajó tem o menor Índice de Desenvolvimento Humano do Brasil e há um grande esquema de tráfico humano e prostituição infantil na ilha”, publicou. “Nós clamamos aos políticos, autoridades e órgãos públicos, ações e respostas.” 

Quer receber notícias no seu celular? Então entre no canal do Whats do RIC.COM.BR. Clique aqui

Mostrar próximo post
Carregando
vulkan vegas, vulkan casino, vulkan vegas casino, vulkan vegas login, vulkan vegas deutschland, vulkan vegas bonus code, vulkan vegas promo code, vulkan vegas österreich, vulkan vegas erfahrung, vulkan vegas bonus code 50 freispiele, 1win, 1 win, 1win az, 1win giriş, 1win aviator, 1 win az, 1win azerbaycan, 1win yukle, pin up, pinup, pin up casino, pin-up, pinup az, pin-up casino giriş, pin-up casino, pin-up kazino, pin up azerbaycan, pin up az, mostbet, mostbet uz, mostbet skachat, mostbet apk, mostbet uz kirish, mostbet online, mostbet casino, mostbet o'ynash, mostbet uz online, most bet, mostbet, mostbet az, mostbet giriş, mostbet yukle, mostbet indir, mostbet aviator, mostbet casino, mostbet azerbaycan, mostbet yükle, mostbet qeydiyyat