Caso Daniel: Discussões e condenações dos Brittes marcam 35 horas de júri; veja

por Guilherme Fortunato
com colaboração de Jonathas Bertaze
Publicado em 21 mar 2024, às 15h25.
POST 6 DE 6

O júri do Caso Daniel que condenou a família Brittes a mais de 50 anos de prisão se encerrou na noite da última quarta-feira (20), após três dias de julgamento em São José dos Pinhais, na Região Metropolitana de Curitiba (RMC). 

Sete pessoas sentaram no banco dos réus, quatro foram absolvidos dos crimes que respondiam no processo da morte do jogador Daniel Corrêa Freitas. Edison Brittes, foi condenado em júri popular a 42 anos, cinco meses e 25 dias de prisão, em regime fechado. 

Além dele, Allana Brittes foi condenada a seis anos, cinco meses e seis dias de reclusão e mais nove meses e 10 dias de detenção. A esposa de Edison, Cristiana Brittes, foi condenada a seis meses de detenção e mais um ano de prisão, em regime aberto. 

O julgamento foi marcado por debates e discussões entre a acusação e defesa, além de quase 12 horas de depoimentos. 

caso daniel correa - edison brittes
Edison Brittes foi condenado em 5 acusações. (Foto: Grupo Ric)

Testemunhas e casal Brittes são ouvidos no primeiro dia de júri do Caso Daniel

No primeiro dia do julgamento foram ouvidas duas testemunhas sigilosas, 14 testemunhas públicas, além de Edison Brittes e Cristiana Brittes. 

O empresário e réu confesso do crime, chegou a dizer em depoimento que “ficou cego de raiva”.

caso daniel correa - cristiana brittes
Cristiana Brittes foi condenada em duas das quatro acusações. (Foto: Grupo Ric)

“Eu não conseguia ver mais nada. Ficou tudo preto. Eu estava muito nervoso, tremendo”, disse Edison no depoimento. 

Cristiana Brittes diz que Daniel “causou a própria morte”

Em seu depoimento no julgamento, Cristiana Brittes alegou que o jogador Daniel causou a própria morte ao “tentar abusar dela” enquanto dormia. 

“Ele acabou com a minha vida. [..] Mesmo sendo acordada com ele em cima de mim, em todo momento eu falei que não batessem nele. Eu clamei pela vida dele em todo momento”, disse Cristiana. 

Foto de Daniel na cama com Cristiana Brittes teria motivado agressões contra jogador (Foto: Reprodução)
Foto de Daniel na cama com Cristiana Brittes teria motivado agressões contra jogador (Foto: Reprodução)

Allana Brittes e outros quatro réus são interrogados no segundo dia

No segundo dia de julgamento, Allana Brittes, David Willian Vollero Silva, Ygor King, Eduardo Henrique Ribeiro e Evellyn Brisola Perusso prestaram depoimento. Os três jovens estavam com Edison quando Daniel foi assassinado e todos afirmaram que somente Brittes o matou. 

Já Allana foi a penúltima a ser ouvida no tribunal. Ela falou sobre o momento em que viu o pai, Edison Brittes, segurar o jogador pelo pescoço, antes da morte. 

caso daniel correa - allana brittes
Allana Brittes foi condenada em todas as três acusações. (Foto: Grupo Ric)

“A hora que eu encontrei minha mãe ela tava no pé da escada chorando. Eu perguntei o que houve e ela disse que não sabia e estava dormindo. Ela só pedia ajuda”, descreveu Allana.

Evellyn Perusso diz que Edison confessou assassinato de Daniel

Evellyn Perusso respondeu a um interrogatório de 30 minutos. Ela começou contando que está com 24 anos, trabalha como manicure e que é mãe de uma menina de 8 anos e um menino de 6 meses.

“Na época dos fatos, eu conhecia a Allana há um ano e dois meses. Eu tinha um convívio com a família. A gente tinha uma amizade. Óbvio, era mais com a Allana, mas como eu frequentava a casa da família, tinha contato com os pais dela. A gente se dava super bem. Depois do ocorrido, a gente nunca mais teve contato”, revelou Evellyn Perusso. 

Caso Daniel: "Não esperava passar por tudo isso", diz Evellyn Perusso após júri
Evellyn se emocionou ao falar da mãe e da filha. (Foto: Daniela Borsuk)

Terceiro dia e condenação da família Brittes

O terceiro dia marcou o anúncio das condenações de Edison, Allana e Cristiana. Além disso, durante as réplicas e tréplicas, houve um bate boca entre os advogados de defesa e a assistência de acusação. 

Edison Brittes foi condenado  a 42 anos, cinco meses e 25 dias de prisão, em regime fechado por homicídio qualificado, por motivo torpe, uso de meio cruel e de recurso que impossibilitou a defesa da vítima, ocultação de cadáver, corrupção de menores e coação no curso do processo.

Questionado se se arrependeu do crime, Edison disse que sim, mas que defenderia a família de novo. (Foto: Reprodução)

O empresário está preso há cinco anos e quatro meses. A defesa pode recorrer da sentença. 

Allana, que respondia em liberdade o processo, foi condenada por fraude processual, corrupção de menores e coação no curso do processo. A defesa tentou recorrer ainda durante o júri, mas a jovem saiu presa do Fórum. 

Outros quatro réus do Caso Daniel são absolvidos 

David Willian Vollero Silva, Ygor King e Eduardo Henrique Ribeiro da Silva foram absolvidos. Os três respondiam por homicídio qualificado, ocultação de cadáver e fraude processual. Já Evellyn foi absolvida e só respondia por fraude processual.

David Vollero chorou ao ouvir que a esposa Allana Brittes estava condenada e voltaria para a prisão
David Vollero chorou ao ouvir que a esposa Allana Brittes estava condenada e voltaria para a prisão (Foto: RICtv)

Quer receber notícias no seu celular? Entre no canal do Whats do RIC.COM.BR. Clique aqui

Mostrar próximo post
Carregando